O meu bebé vai começar a comer...e agora?

Quem tem bebés estará certamente familiarizado com toda a logística que um pequeno humano implica desde a escolha do berço à negociação de quem dá o próximo banho, a escolha do médico, quais as fraldas mais indicadas, quanto custa a chucha, de que cor vou pintar o quarto, etc. etc.
Depois de todas as decisões tomadas e a confusa engrenagem dos primeiros tempos com um bebé já estar a andar como deve ser, chega a altura de pensar nas primeiras papas. 

O meu conselho: não se fiem nas cores berrantes e imagens apelativas das embalagens de supermercado/farmácia e na promessa de serem um alimento super práctico e consultem um NUTRICIONISTA, JÁ!

Se calhar aqueles 50 ou 70 euros davam muito jeito para outra coisa, uma roupinha janota da Chicco ou outra treta qualquer...mas o que se poupa na saúde, gasta-se na doença.
E se amam os vossos filhos, não lhes querem dar o melhor? E há algo melhor que saúde?
Acredito que os médicos façam e aconselhem sempre o que acreditam ser o melhor mas na verdade no que toca a alimentação vê-se tanta falta de informação e interesse que assusta!
Está mais do que provado que um regime alimentar vegano traz inúmeros benefícios para a saúde e reduz brutalmente o risco de doenças cardiovasculares, colesterol, diabetes, obesidade, diversos tipos de cancro, etc, etc... e continuo a lidar com médicos que me atiram pérolas do tipo "pois o bebé deve estar a chorar porque o teu leite não tem proteína suficiente" (pois...os bebés carnívoros não choram...também não têm sono...nem cólicas...)

Contudo, o cuidado neste tipo de alimentação deve ser redobrado primeiro para que todas as necessidades nutricionais sejam respondidas e segundo...SERVIRMOS DE EXEMPLO! Pois aos olhos da medicina ignorante quando um carnívoro só se enfarda de porcaria e a saúde vai por ali abaixo, a culpa é sempre da genética ou da idade, ou do stress... quando um vegano passeia na rua e é atropelado, a culpa é do veganismo!

Enfim, a médica que me segue e ao meu rebento é a mesma que seguiu a gravidez da minha mãe vegetariana e que atirava as mãos à cabeça "veja lá o que está a fazer!...ai as anemias!...é muito perigoso!" mas como as análises estiveram sempre bem, acabou por "tirar o chapéu" e dar os parabéns à minha mãe porque nasci pesadíssima e parecia um bebé com um mês.
Mas isto foi há 24 anos atrás e a médica que continua a mesma. Não me chateou minimamente durante a gravidez e quando tinha alguma dúvida de alimentação me respondia "ah não sei, isso vocês estão melhor informados que nós, não percebemos nada disso" e confiou no meu julgamento até ao fim da gravidez e quando o Romeu nasceu em todas as consultas me dizia "que leite bom que tu tens porque ele está enorme! Vocês sabem muito bem o que comem."
Ao chegar a altura das papas/sopas, questionei-a quanto à introdução dos alimentos e a resposta dela foi "Normalmente aconselhamos a introduzir primeiro uma sopa de batata com cenoura, na segunda semana mistura-se um pouco de cebola, na semana seguinte outro vegetal...e por aí fora. Carne e peixe perto dos 8 meses e leguminosas so aos 12. Mas aconselho mesmo a procurares um nutricionista que perceba esse regime alimentar e te aconselhe bem."
E assim foi.
Conclusão, um mês depois de começar a comer o meu Coquinho já come mais de 40 alimentos diferentes, está gordo que nem um texugo, com 6 meses já se põe de pé e depois de lidar com montes de gente, mexer no cão e nos gatos e levar com espirradelas da família quando se engripou, nem uma constipação lhe toca.

Sim, A SAÚDE COMEÇA PELA BOCA (ou estamos à espera de enfardar batatas fritas e açúcar o mês inteiro e continuar a vestir o 36 e com níveis de colesterol fantásticos?).

Se podemos incutir hábitos saudáveis nos nossos bebés para ajudá-los a crescer fortes e saudáveis, porque não fazê-lo?